Pesquisar este blog

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Patriarcas do Oeste Potiguar


Mesorregião Oeste Potiguar, destacando-se os municípios de Apodi, Portalegre e Martins. 

Os registros dos cartórios e as publicações históricas mostram que o povoamento português no Oeste Potiguar tem sua origem nas históricas cidades de Martins(1742), Portalegre(1740) e Apody (1703). O intercâmbio dos vários núcleos sociais entre estas comunas proporcionaram as penetrações no interior dos nossos sertões. os primeiros povoadores disseminavam seus currais onde encontrassem água para dessendentar homens e animais, fosse um rio, em geral não perene, um riacho uma lagoa ou simples “olho-d’água”. 

Enfrentando a indiada hostil, as caatingas inóspitas e a escassez de água, passaram a ocupar terras devolutas, as sobras de terras entre as “Datas”, quando então requeriam às autoridades competentes a concessão da “Carta de Sesmaria”, sujeita à confirmação do Rei, sob a alegação de já se encontrarem na posse mansa e pacífica da área pretendida e nela haverem realizado gastos. Área que a Carta Régia de 07.12.1697, reformada pela Provisão de 19.05.1729, limitou a três léguas de comprido por uma de largura, ou três de largura por uma de comprimento, ou finalmente uma em quadro.  

Justificando suas pretensões, os vetustos e rijos povoadores alegavam serviços ao Rei de Portugal, com riscos de vida e gastos de sua fazenda. Riscos no combate ao índio bravio e sua “pacificação” (muitas vezes mortandade deliberada – caso da carnificina de Viçosa, onde fuzilaram muitos índio ao pé da serra, quando estes ajoelhavam-se para rezar o ofício de Nossa Senhora), ou sua “domesticação” (na verdade capitulação, posto que a indiada se rendia à força bélica do homem branco). 

A reminiscente cidade do Martins recebeu essa denominação por ter sido fundada pelo português Francisco Martins Roriz, que em 1742 fixou-se na “Serra da Conceição”, depois designada Serra do Martins, tendo este patriarca falecido em 1786.  Uma filha desse fundador, D. Maria Gomes D’Oliveira Martins, casou-se com o português Mathias Fernandes Ribeiro. Desses patriarcas descendem as famílias Fernandes Ribeiro, Viriato Fernandes, Cipriano (da cidade de Tenente Ananias), Martins Ribeiro, Almeida(de Luiz Gomes-RN), Xavier (do Ceará), Silvestre, Bessa, Lopes Cardoso, Martins Sampaio, Lopes Fernandes, etc. Desse tronco tivemos em Mossoró o prefeito Rodolfo Fernandes de Oliveira Martins e o industrial Pedro Fernandes Ribeiro (genitor do advogado Paulo Fernandes). 

Ainda em Martins tivemos os patriarcas portugueses José Pinto de Queiroz, casado com D. Anna Martins de Lacerda, tronco dos Lopes e Chaves, Fernandes de Queiroz (com ramificação em Pau dos Ferros), Castro, Queiroz e Sá. Outro português que se radicou em Martins foi o Capitão Manoel dos Santos Rosa, natural da cidade do Porto, que chegando a Martins casou-se com Dona Maria José de Lacerda (filha de José Pinto de Queiroz), de quem descendem as famílias Santos, Santos Rosa, Santos Pinto (entrelaçamento com a família Pinto do Apody), Fernandes Chaves, Fernandes Sampaio, etc. 

A gênese do povoamento português naqueles rincões serranos (Martins) enumera ainda a presença do Capitão-Mor José Martins de Oliveira (falecido em 1781) casado que foi com D. Catharina Gomes D’Amorim, irmã do fundador de Portalegre, Sr. Clemente Gomes D’Amorim, tronco das famílias Silveira, Freire da Silveira, Freire de Oliveira, Gondim, Gomes D’Amorim, Gomes Pinto, Barrêto, que tem como tronco referencial Domingos Velhos Barreto, casado com D. Joana Gomes, filha do Capitão Manoel Inácio D’Oliveira, que por sua vez era filha de José Martins e Catharina. 

Em 1749 os irmãos (portugueses) Clemente Gomes D’Amorim e Carlos Vidal Borromeu, naturais de Coimbra, receberam concessão de Sesmaria na “Data Dormentes”. Foram os primeiros fundadores de Portalegre –RN. Clemente casou-se com Inácio Carneiro de Freitas e D. Joana Filgueira de Jesus. Aí o tronco dos Gomes de Amorim, Amorim Martins, Souza Martins, Azevedo Amorim, (vide Expedito Azevedo Amorim), Freitas. 

Carlos Vidal Borromeu casou-se com a índia alagoana D. Isabel de Araújo. É o tronco da família Mota de toda zona oeste. 
Acompanhando a marcha do povoamento da região, deparamos com Apody, onde em 1703 verificou-se a primeira questão de terra, promovida por Antônio da Rocha Pita (sesmeiro baiano) contra os Nogueiras, tendo sido decidida em 03.03.1706, em favor dos Nogueiras, e havendo uma apelação para as cortes de Lisboa, que terminou por confirmar a sentença em favor dos Nogueiras. 

Os patriarcas apodyenses são os portugueses Antônio da Mota Ribeiro, da cidade de Braga, nascido a 13.06.1710, falecido em Apody a 19.08.1796, tendo casado com D. Josepha Ferreira de Araújo, filha de Carlos Vidal Borromeu e Isabel Araújo. O capitão João Barbosa Correia, natural da cidade de Ponta de Lima (Portugal) casou-se com D. Rosa Maria de Jesus (Pernambucana). O capitão Barbosa Correia faleceu a 16.11.1787, aos 98 anos de idade. Tronco das famílias Barbosa de Amorim, Nunes, Souza, Soares, Soares de Souza, Barbosa de Lucena, Noronha, Pinto, etc. 

Há que se ressaltar que os principais fatores que proporcionaram a ocupação destes territórios oestanos foram: a existência de pastagens naturais, o clima sadio, favorável à criação extensiva dos rebanhos em campos abertos (não havia cercas), terras agricultáveis, sobretudo na chã das serras. Transmitidas de geração a geração, mantêm-se assim, ainda hoje, em posse destas antigas famílias. 

FONTE DE PESQUISA: Marcos A. Filgueira “in” “Velhos Inventários do Oeste Potiguar”. João Bosco Fernandes – “Memorial de Família”. 

Por Marcos Pinto – historiador, advogado e Presidente da Academia Apodiense de Letras. 

3 comentários:

  1. Olá!
    Meu nome é Adeilton Lopes, minha mãe e natural de Tenente Ananias RN funda por Alexandre Moreira Pinto, ela pertence a família Pinto, gostaria de saber se o historiador marcos pinto, que escreve essa matéria daz parte do mesmo tronco familiar, pois tenho curiosidade em saber mais sobre minha família materna.
    Email. adeiltonlopez@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Meu nome é Adeilton Lopes, minha mãe e natural de Tenente Ananias RN funda por Alexandre Moreira Pinto, ela pertence a família Pinto, gostaria de saber se o historiador marcos pinto, que escreve essa matéria daz parte do mesmo tronco familiar, pois tenho curiosidade em saber mais sobre minha família materna.
    Email. adeiltonlopez@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Caro Marcos,

    Graças às suas contribuições pude conhecer mais sobre minha família e preencher a minha árvore genealógica. Seria um prazer poder conversar um dia sobre isso e estudar mais. Meu email é contatopedromota@gmail.com

    ResponderExcluir